Métricas: Quais delas você usa para verificar a saúde do seu produto?

Quando estamos fazendo gestão de produtos, esta pergunta é bem comum: Como eu verifico e checo a saúde do meu produto utilizando métricas?

Quais métricas devo considerar? Todas as métricas possíveis? Algumas? Como ser mais assertivo em relação  a elas?

Primeiramente…

Uma métrica (ou várias delas) tem como objetivo medir a saúde de um problema que você está resolvendo. Leia-se problema como uma “dor do negócio” ou “oportunidade de negócio”. Leia aqui sobre problemas e oportunidades.

Uma vez definida a hipótese sobre o problema que você está resolvendo, chega a hora de definir as métricas. Na minha visão, existem métricas de nível operacional e de nível mais macro, que atingem necessariamente os resultados da empresa.

Eficiência ou Eficácia?

Como donos de produto, temos como dever perseguir as métricas de eficácia, mas nunca nos esquecer que as métricas de eficiência colaboram para a melhoria das métricas de eficácia e a nossa aproximação dos resultados de forma cada vez mais ágil. Não sabe do que tô falando? Se liga:

4Dominios_palavras
Fonte: K21

Pois bem, as métricas de negócio são responsáveis por medir a Eficácia, e as métricas organizacionais são responsáveis por medir a Eficiência. Combinado?

Entendi. Mas como é que vamos medir a Eficácia? Como é que eu sei que estou sendo eficaz com meu produto?

ROI

Você sabe o quanto está investindo no seu time? Por quantas pessoas ele é composto? Quanto custa este time?

Seu produto faz vendas diretas? É vendido? Monetizado? Qual o total de vendas que seu produto faz ou fará?

Seu produto facilita uma venda? O Quanto ele facilita essa venda? Quantas vendas seu produto ajuda a fazer?

Estes são exemplos de retornos de investimento direto que um produto pode gerar.

Como calcular um ROI?

ROI = [(Retorno – Investimento)/Investimento]*100

 

Cost of Delay

Cost of Delay é uma métrica que ajuda a tangibilizar o risco de não fazer determinada feature ou produto. Basicamente, o Cost of Delay mostra, caso um produto não possua ROI direto, formas de medir o impacto que um problema não resolvido pode ter. O Cost of Delay também pode ser usado juntamente com o ROI.

Dessa forma, Cost of Delay pode tangibilizar casos de:

  • Aumento de Receita
  • Proteção de Receita
  • Prevenção de Custo
  • Redução de custos

Como calcular o Cost of Delay?

Verifique qual o problema atual, exemplo: Quantos clientes eu posso suportar com a aplicação atual? Quantos clientes eu posso suportar com a aplicação nova?  Quanto de faturamento traz cada cliente? Quanto de faturamento eu terei com mais clientes?

A Diferença encontrada será o Cost of Delay.

O universo de métricas é extenso e estou mergulhando nele agora 🙂 Para que o post não fique também muito grande, pretendo criar alguns vários dedicados a esta disciplina.

Deixe aqui sua dúvida, comentário, vamos trocar! Eu te ajudo com o que aprendi e você me ajuda a pesquisar e entender coisas novas. Combinado?

Ao invés de perguntar sobre documentação, aprenda com ela — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Que tal um Doc Journey Map, como um Customer Journey Map inspirado em 5w2h e SIPOC? Conforme o porte da empresa, envolvem-se Governança, PMO, área de processos e representantes das equipes, trata-se de uma necessidade e responsabilidade da organização estabelecer alguns padrões e GQA necessário. Lembra SIPOC, trabalha uma espécie de 5w2h de origem a […]

via Ao invés de perguntar sobre documentação, aprenda com ela — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Sobre o PMBOK Ágil (Por Jorge Audy)

Fiz vários posts nas redes desde que as primeiras resenhas sobre o PMBOK 6ª edição começaram a sair, mas não aqui no blog para registro. Não é um passo a frente, é apenas o resgate de um gap de 30 anos, desde o mítico artigo de Takeushi e Nonaka em 1986 com “The New New […]

via PMI Agile Practice Guide – boas práticas ágeis há 30 anos — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Utilizando Canvas para entender melhor seu produto

Dando uma pausa..pngJá é uma prática de mercado utilizar canvas para obtenção de dados para o que quer que seja, já vi scrum team canvas, machine learning canvas… Tem Canvas para todos os gostos. O canvas acabou caindo no gosto dos analistas, product owners e demais profissionais do mercado porque facilita o entendimento de todas as partes e direciona um brainstorm, por exemplo.

Uma das estratégias comuns para entendimento do produto (e da visão da empresa), são os Business Model Canvas e o Product Vision Board.  Vou focar, hoje, nestes dois canvas.

Continue lendo “Utilizando Canvas para entender melhor seu produto”

Meetup Fast Forward Design Thinking

Nesse último sábado, participei do Meetup Fast Forward Design Thinking, organizado por uma galera fera que adora resolver problemas.

Nosso tema era repensar as bibliotecas, e o nosso time pensou em um totem para devolver os livros, que resolveria o problema de empréstimo de livros, já que nossos potenciais clientes não gostam de voltar à biblioteca pra devolver.

600_463815540.jpeg

Olha só como eu estou orgulhosa do nosso protótipo. 😁

Neste meetup, a gente não só recebe um treinamento básico de como fazer o Design Thinking, como põe a mão na massa pra resolver um problema. Interessou? Se inscreva no grupo e fique atento aos próximos:

https://www.meetup.com/pt-BR/Fast-Forward-Design-Thinking-Hub-SaoPaulo/

Organize. (3)

Caí de paraquedas num projeto e sou responsável por requisitos, e agora?

Publicado originalmente em 23 de março de 2017, no Linkedin

Outro dia estava eu ali num fórum, quando uma pessoa entrou e perguntou: A partir de amanhã serei analista de requisitos, não sei por onde começo!

Parece incomum mas acontece com frequência: Quantas vezes a gente já se deparou com um desafio que não sabe nem como começar? Que tipo de ajuda você espera quando isso acontece? No fórum vi muita gente recomendando leituras. Bom, leituras são imprescindíveis para o bom conhecimento de qualquer profissional. Mas e quando você está na fogueira? Como faz? Aqui está um passo-a-passo simples de como sair do outro lado num mar de problemas. Continue lendo “Caí de paraquedas num projeto e sou responsável por requisitos, e agora?”

Mas, afinal, o que é sucesso?

Publicado originalmente em 9 de março de 2017, no Linkedin

Primeiramente, me perdoe pelo erro de português na imagem. Se você chegou a este texto, assim como eu você duvida do conceito de sucesso dos dias de hoje. A imagem do texto menciona sacrifício, trabalho duro, bons hábitos, dedicação, pra chegar ao sucesso. Mas o que é sucesso?

Muitas frases “motivacionais” são lançadas dentro do LinkedIn e de todas as redes sociais para tentar direcionar pessoas ao sucesso. E as pessoas persistem, trabalham duro, se dedicam… Mas pra quê mesmo?

Antes de concordar com a imagem, proponho uma reflexão: Essa pessoa tem sucesso ou é feliz? Será que sucesso é sinônimo de felicidade? Continue lendo “Mas, afinal, o que é sucesso?”