Ao invés de perguntar sobre documentação, aprenda com ela — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Que tal um Doc Journey Map, como um Customer Journey Map inspirado em 5w2h e SIPOC? Conforme o porte da empresa, envolvem-se Governança, PMO, área de processos e representantes das equipes, trata-se de uma necessidade e responsabilidade da organização estabelecer alguns padrões e GQA necessário. Lembra SIPOC, trabalha uma espécie de 5w2h de origem a […]

via Ao invés de perguntar sobre documentação, aprenda com ela — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Sobre o PMBOK Ágil (Por Jorge Audy)

Fiz vários posts nas redes desde que as primeiras resenhas sobre o PMBOK 6ª edição começaram a sair, mas não aqui no blog para registro. Não é um passo a frente, é apenas o resgate de um gap de 30 anos, desde o mítico artigo de Takeushi e Nonaka em 1986 com “The New New […]

via PMI Agile Practice Guide – boas práticas ágeis há 30 anos — Jorge Horácio “Kotick” Audy

Utilizando Canvas para entender melhor seu produto

Dando uma pausa..pngJá é uma prática de mercado utilizar canvas para obtenção de dados para o que quer que seja, já vi scrum team canvas, machine learning canvas… Tem Canvas para todos os gostos. O canvas acabou caindo no gosto dos analistas, product owners e demais profissionais do mercado porque facilita o entendimento de todas as partes e direciona um brainstorm, por exemplo.

Uma das estratégias comuns para entendimento do produto (e da visão da empresa), são os Business Model Canvas e o Product Vision Board.  Vou focar, hoje, nestes dois canvas.

Continue lendo “Utilizando Canvas para entender melhor seu produto”

Meetup Fast Forward Design Thinking

Nesse último sábado, participei do Meetup Fast Forward Design Thinking, organizado por uma galera fera que adora resolver problemas.

Nosso tema era repensar as bibliotecas, e o nosso time pensou em um totem para devolver os livros, que resolveria o problema de empréstimo de livros, já que nossos potenciais clientes não gostam de voltar à biblioteca pra devolver.

600_463815540.jpeg

Olha só como eu estou orgulhosa do nosso protótipo. 😁

Neste meetup, a gente não só recebe um treinamento básico de como fazer o Design Thinking, como põe a mão na massa pra resolver um problema. Interessou? Se inscreva no grupo e fique atento aos próximos:

https://www.meetup.com/pt-BR/Fast-Forward-Design-Thinking-Hub-SaoPaulo/

Organize. (3)

Caí de paraquedas num projeto e sou responsável por requisitos, e agora?

Publicado originalmente em 23 de março de 2017, no Linkedin

Outro dia estava eu ali num fórum, quando uma pessoa entrou e perguntou: A partir de amanhã serei analista de requisitos, não sei por onde começo!

Parece incomum mas acontece com frequência: Quantas vezes a gente já se deparou com um desafio que não sabe nem como começar? Que tipo de ajuda você espera quando isso acontece? No fórum vi muita gente recomendando leituras. Bom, leituras são imprescindíveis para o bom conhecimento de qualquer profissional. Mas e quando você está na fogueira? Como faz? Aqui está um passo-a-passo simples de como sair do outro lado num mar de problemas. Continue lendo “Caí de paraquedas num projeto e sou responsável por requisitos, e agora?”

Mas, afinal, o que é sucesso?

Publicado originalmente em 9 de março de 2017, no Linkedin

Primeiramente, me perdoe pelo erro de português na imagem. Se você chegou a este texto, assim como eu você duvida do conceito de sucesso dos dias de hoje. A imagem do texto menciona sacrifício, trabalho duro, bons hábitos, dedicação, pra chegar ao sucesso. Mas o que é sucesso?

Muitas frases “motivacionais” são lançadas dentro do LinkedIn e de todas as redes sociais para tentar direcionar pessoas ao sucesso. E as pessoas persistem, trabalham duro, se dedicam… Mas pra quê mesmo?

Antes de concordar com a imagem, proponho uma reflexão: Essa pessoa tem sucesso ou é feliz? Será que sucesso é sinônimo de felicidade? Continue lendo “Mas, afinal, o que é sucesso?”

Perca peso com Scrum, pergunte-me como

Publicado originalmente em 17 de janeiro de 2017, no Linkedin.

Primeiramente, desculpe o trocadilho no título. É que o que eu tenho para contar dessa vez é tão sensacional, que eu queria que você visse. Quem nunca teve problemas com o peso, não é mesmo? Se você não tem, sinta-se privilegiado. Não é exatamente o meu caso.

Setembro de 2015: Eu, com herança genética, sedentarismo e má alimentação, já estava obesa nível 2. Eu precisava fazer alguma coisa. As doenças cardiovasculares já batiam em minha porta. A obesidade pode ser bem cruel, às vezes. Foi então que resolvi me dedicar totalmente à rotina de reeducação alimentar e atividade física. Com corridas e corte de calorias, a princípio, foram 6kg e tcharam! Estacionei. Não conseguia mais perder um só grama.

Fevereiro de 2016: Procurei uma nutricionista, que tinha foco em nutrição comportamental – guarde bem esse nome. Dra. Ana Scaramella olhou com reprovação para a minha dieta e começamos a fazer mudanças. Desde o primeiro dia até hoje (janeiro de 2017) foram mais 5kg e a perda de peso bastante saudável, com eliminação completa dos fantasmas das doenças cardiovasculares e uma percepção de que a perda foi muito maior.

Mas onde é que entra o Scrum na jogada? Calma, eu já vou explicar. A nutricionista – nutri – como costumamos chamá-la, tem foco em nutrição comportamental, lembra? O foco do projeto de emagrecimento é a mudança completa do mindset, e, depois da leitura do livro do Jeff Sutherland, liguei os pontos.

A nutri trabalha da seguinte forma (e você pode fazer isso em casa, se quiser!):

  1. Define uma meta a ser cumprida – um backlog. Qual é a sua meta? 1, 2, 5, 15kg? Depois da meta definida, a pergunta é: Quanto você acha que consegue nos próximos 30 dias? Daí sai a sua meta do sprint e meta do release.
  2. A nutri também define 3 metas diárias – junto comigo – que eu preciso conferir diariamente. A minha daily scrum meeting comigo mesma.
  3. A cada 15 dias, há o sprint review, onde conto como foram meus primeiros 15 dias, e existe a pesagem e tiragem de medidas. Também há a retrospectiva, onde revisamos o processo e fazemos ajustes, como por exemplo: Qual é seu principal ofensor no processo de emagrecimento? O que foi muito bom nesses 15 dias?

O processo em si é bem simples, mas trago aqui para discussão pois nessa experiência percebo que o Scrum, apesar de ter uma série de cerimônias, não necessariamente implica em um processo fechado e que não podemos mudar. Meu emagrecimento tem como objetivo a mudança de pensamento, o equilíbrio pessoal.

Vejo que o Scrum não é uma ferramenta apenas para desenvolvimento de software: ele pode ser usado como uma ferramenta de mudança de cultura, onde aos poucos vemos cada uma dessas etapas como natural, e melhoramos a cada dia.

E você, o que acha da aplicação do Scrum em projetos do seu dia-a-dia?